11 de janeiro de 2018

"A LA Alumínios vai ser certamente uma equipa combativa"

(Fotografia: Patrícia Nunes)
2018 será um ano para recordar na carreira de alguns jovens portugueses. De uma assentada, três equipas pediram a licença Continental, apostando no escalão de sub-25, proporcionando assim a possibilidade de vários ciclistas tornarem-se profissionais e começar desde já a ter acesso a outro nível. Abrem-e as portas das principais competições nacionais - Volta ao Algarve e Volta a Portugal - e possivelmente algumas no estrangeiro, além do pelotão nacional passar de seis para nove formações continentais. Hernâni Brôco aceitou o desafio de dirigir a LA Alumínios, um nome já com muita história no ciclismo nacional, mas que agora se apresenta com um novo projecto, dedicado aos mais jovens e com muita vontade de evoluir.

"Este passo é importante e está a abrir outras perspectivas aos jovens. É fundamental  [a equipa] uma vez que este passo era difícil [chegar ao profissionalismo]", explicou Hernâni Brôco ao Volta ao Ciclismo. Mais duas seguiram este exemplo, o Miranda-Mortágua e a Liberty-Carglass - ainda que nestes casos sejam estruturas que já existiam, -, facto que reforça o potencial crescimento para a modalidade. Brôco considera que seria positivo se fossem considerados conjuntos de formação e se forem constituídos "só por ciclistas nacionais, seria muito bom para o ciclismo português".

Dez corredores foram escolhidos para este projecto ambicioso da LA Alumínios, mas que quer que este ano seja de aprendizagem para todos os que compõem a equipa, seja a pedalar ou no apoio aos corredores. Alguns estavam na Sicasal-Constantinos-Delta Cafés, equipa na qual Hernâni Brôco fez a passagem para os bastidores, depois de colocar pela segunda vez um ponto final na carreira e, desta feita, a retirada foi definitiva. "Estamos muito satisfeitos com os ciclistas que temos e o trabalho desenvolvido tem sido de louvar. Todos se enquadram bem nesta filosofia de equipa", salientou.


"Não vamos exigir deles vitórias, mas sim empenho e luta durante todas as provas. Se surgir tudo bem, senão, vamos tentar classificações secundárias"

E qual será a filosofia? "A LA Alumínios vai ser certamente uma equipa combativa. Estamos a incutir-lhes isso." Porém, perante a juventude e a natural falta de experiência da maioria dos ciclistas, o responsável realçou: "Não se pode pedir muito. Todos eles estão a dar um passo grande nas suas carreiras e não vamos exigir deles vitórias, mas sim empenho e luta durante todas as provas." Claro que uma vitória está sempre no horizonte e Hernâni Brôco não o esconde. "Seria importante. Se surgir tudo bem, senão, vamos tentar classificações secundárias. Mas ao menos que sejamos uma equipa reconhecida pela combatividade", afirmou. Um dos objectivos da temporada passa pela criação de "um grupo coeso que daqui a uns anos possa dar algumas alegrias".

Apesar de querer começar bem a época que arranca a 4 de Fevereiro, na Prova de Abertura Região de Aveiro, é entre Maio e Junho que Hernâni Brôco espera ter os seus jovens ciclistas na melhor fase, apontando também na Volta a Portugal, em Agosto. No entanto, é logo a começar que haverá uma prova de fogo: a Volta ao Algarve. Os jovens da LA Alumínios, quase todos entre os 21 e 23 anos, vão estar lado a lado com 13 equipas do World Tour, que trarão ciclistas como Tony Martin, Arnaud Démare e Geraint Thomas, por exemplo. "É uma realidade completamente diferente. Na Volta ao Algarve não vamos esperar muito deles. Será uma fase de aprendizagem. Vamos tentar fazer o nosso melhor, adquirir experiência, vamos deixá-los desfrutar e vão viver boas experiências, certamente", disse.


"Tanto os atletas, como toda a estrutura vai crescer, por isso, 2018 será um ano de aprendizagem para todos. É um projecto que tem tudo para vingar"

Será um início especial para os ciclistas num projecto de quatro anos. Brôco explicou que Luís Almeida, responsável da LA Alumínios, decidiu criar uma equipa nova, apostando num clube, o de ciclismo da Aldeia de Paio Pires, que já tem trabalhado com as camadas mais jovens. Explicou ainda que Luís Almeida não se limita a ser um patrocinador, mas também "uma pessoa mais presente". "A vida assim o permite e criou este projecto de raiz, que quer tentar desenvolvê-lo ao máximo para um dia ser uma equipa de referência nacional."

E Hernâni Brôco não hesita em dizer: "Tanto os atletas, como toda a estrutura vai crescer, por isso, 2018 será um ano de aprendizagem para todos, para criar uma base para o futuro. Vamos tentar fazer a diferença. É um projecto que tem tudo para vingar."

A LA Alumínios será constituída por Nuno Ferreira (27 anos, Louletano), Gonçalo Leaça (21, Sicasal-Constantinos-Delta Cafés), Rafael Apolinário (22, Sicasal-Constantinos-Delta Cafés), Paulo Silva (22, Sicasal-Constantinos-Delta Cafés), Júlio Gonçalves (23, Santa Maria Feira), Patrick Videira (23, Maia), João Fernandes (23, Maia), David Ribeiro (22, Liberty Seguros-Carglass), Fábio Mansilhas (22, Miranda-Mortágua) e Fábio Oliveira (23, Santa Maria Feira).

»»Joaquim Andrade: "Estamos confiantes que poderemos criar a curto prazo um projecto muito forte no ciclismo"««

»»Francisco Moreira: "Nunca pensei... É uma grande oportunidade e assim já ficam as portas abertas para o futuro"««

Pub

Sem comentários:

Enviar um comentário